11 de setembro de 2007

Verdade verdadinha

é que quando vem algo de mau, vêm várias coisas. Parece que o Destino faz de propósito para ver até que ponto aguentamos, quando é que vamos dar o grito de desespero, quando chegamos ao nosso limite. E vai insistindo, insistindo. E dou por mim a não chorar com o que me vai acontecendo. Choro muito, sim, mas só por quem nos deixou. Isso sim destroça-me de uma forma inimaginável. Mas depois de Tu nos teres deixado, tudo o que tem acontecido é mau, é muito mau, mas a Tua falta supera tudo. E choro, mas por Ti. Não pelos outros.

Descobri agora que nunca senti o que são saudades até te ter perdido. Saudades não é ficar longe dos outros uma ou duas semanas. Saudades é saber que não voltarás, fisicamente, para o pé de mim. E é por isso que eu choro.

4 comentários:

Inês disse...

Sei o que é isso também.. Só perdi verdadeiramente alguém quando tinha 17 anos e posso dizer que foi a pior dor que já tive e que até hoje me acompanha... Só restam as lembranças mas não apagam a vontade que temos de sentir o cheiro, de abraçar... Custa :( mas é assim... :(

Ele há horas assim... disse...

Custa sempre quando alguém de quem gostamos nos deixa. Mas é assim mesmo a vida. Qualquer dia também a nossa hora há-de chegar e alguns que cá ficam também hão de lamentar a nossa partida.
É a lei da vida!

Nestas ocasiões, apesar da dôr, importa recordarmos momentos bem passados junto de quem parte, dos seus sorrisos, do seu carinho, do bem-estar que sentíamos ao estar na presença dessa pessoa...

Pelo menos, é assim, que que eu gosto de me recordar das pessoas...

Um beijinho grande e força!

100 Sentidos disse...

Também já passei por aí. Também estava no segundo ano da Faculdade. Também era uma avó.
Sei o que dói...
Ofereço-te um colinho meigo e miminhos, sempre que precisares, ainda que virtuais...

Alf disse...

Pois...

Há dias também matei saudades lá no blog.

Um abraço, Inês.